sábado, 12 de março de 2016

XVI - Vestuário Medieval

O TRAJE E A MODA MEDIEVAL

1- O TRAJE
A) Generalidades
O Homem foi obrigado por influencia de praticas e necessidades do dia-a-dia a ter agasalho para se proteger dos rigores do tempo. Alargou o comportamento a normas sociais, Imposições religiosas, conceitos estéticos, necessidades profissionais e ate praxes politicas. Conclui-se assim que a "moda", modo de vestir próprio de determinado tempo, e manifestação cultural que ajuda a entender as gentes de certos locais em determinado período. As atuais e frequentes passagens de modelos, tornam oportuna a abordagem do tema para relatar vivencias antigas e modernas. Será partilha simples e despretensiosa cujo mérito poderá ser despertar curiosidade para comportamentos sociais de épocas passadas. Os europeus até ao séc. XI, em obediência ao figurino romano, utilizavam tecidos semelhantes, (Linho ou la) por tingir, de cor natural, em vestes amplas que dissimulavam a forma do corpo. A elegância manifestava-se pela riqueza, ornamentação do tecido e preguear do traje. A postura paga clássica defendia que braços e colo podiam estar expostos enquanto o puritanismo cristão aconselhava a cobertura de todo o corpo. O desenvolvimento posterior da tecelagem levou os centros produtores mais importantes (Inglaterra, Flandres e norte de Itália) a melhorar os seus produtos que procuraram manter secretos. Surgiram então alterações no vestuário e penteado, motivadas por vincadas transformações sociais e económicas, em parte devido a nova c1asse social “a burguesia", de humilde origem rural entretanto abastada e fixada em "burgos", cidades, que transformaram em centros de intensa actividade económica, que impulsionaram com crescente aumento de trocas comerciais.
O burguês, aproveitando o declínio de grandes casas feudais, em atitude provocatória de novo-rico sentia necessidade de superar a vizinhança com ostentação de poder em evidente sinal de quem tinha vencido na vida.
O séc. XII trouxe vestuário que manifestava influencia doutras conceções, em especial gótica, que refletia a supremacia da linha vertical sobre a horizontal, que distinguia a elegância de indivíduos altos e magros face a baixos e gordos, considerados na altura feios e ate mesmo ridículos.

O séc. XII apareceu marcado pelo atual conceito de moda.
A evolução do vestuário guerreiro determinou profundas alterações que acabaram por se refletir em todo o vestuário. Deixou de se usar a ampla cota de malha ate aos joelhos que protegia da ação da espada e da seta.
A besta vinda trazida do Oriente pelos cruzados, conduziu a utilização de novas pecas defensivas como o "ames" (armadura) que defendia o corpo com eficácia. Constituído por pecas protetoras, articuladas e ajustadas, levaram a alterar as vestes sob a armadura (quente e agressiva) que eram ajustadas ao corpo. Associadas a outras razoes a evolução do vestuário masculino na Idade Media foi espetacular ao contrário do vestuário do sexo feminino que permaneceu no figurino tradicional, amplo, em que a comodidade era determinante. A situação, facilitada por transformações verificadas na habitação (vidraças, tapetes, divisões baixas e pequenas, etc.) tornada mais clara, quente e cómoda, que facilitou a generalização da nova moda.
B) O traje medieval em Portugal
O vestuário, salvo características tradicionais e pouca sensibilidade das pessoas a moda, evoluiu lentamente, por influência de vários fatores (composição, corte e cor) ao gosto estrangeiro trazido por damas de cortes europeias (Aragão, Castela, Leão, Franca, Inglaterra, Alemanha, Áustria.) e movimentação de muita outra gente também cosmopolita, facto comentado por críticos sociais (Duarte da Gama, Simao Machado, Francisco Rodrigues Lobo, etc.), que não evitou alterações sugeridas do exterior alem fronteira, estranhas a conduta e vivencia do povo indígena.
O traje, diversificado, conforme a c1asse social do utilizador, conservou vestígios de civilizações anteriores, em particular da romana. A procura e estudo continuam difíceis pela escassez de obras iconográficas e raridade de esculturas tumulares, que não permite uma abordagem sistematizada, completa e comparativa. O tema, interessante, leva a breve abordagem, do traje medieval próprio do início da monarquia ao seculo XV.

Seculo XII
Caracterizado por filosofia "unissexo" conservou o predomínio dos vestidos talares romanos (“ttalus”, calcanhares), com o manto preso ao ombro pela "fíbula" (alfinete de segurança) que cobria duas túnicas, a superior (com fenda lateral) e a inferior (que chegava aos pés).
O traje dos nobres era adornado com vistoso cinturão de prata ou oiro.
A "gente" importante (senhores e cavaleiros), de cabelo comprido, usava barrete mole pontudo que descansava no ombro ou envolvia o pescoço.
Cobria-se com boné de veludo ou gorro (feltro ou pane) com tapa orelhas preso sob o queixo. Compunha o atavio com bigode e barba em bico.
A "gente" modesta, de cabelo curto, usava "sagum" (manto romano) com "capelo" (chapéu) e "bragas" (calces de la ou linho).
O sexo feminino alindava-se com cinto e "esmoleira" (bolsa de esmolas) bordada onde suspendia sedas e "sendais" (tecidos de seda fina), mantas ricos de cotas e sobre cotas (poncho reforçado) pregueados e guarnecidos com muitas peles. Usava 0 cabelo levantado separado por risca ao meio, trances caldas à frente e pés protegidos com sapatos bicudos de coiro doirado. Envolvia a cabeça com pano de linho ou seda atado sob o queixo e enfeitava-se com vestes de largas mangas pendentes, pregueadas ou plissadas, presas no vistoso cinto.
As religiosas, de traje semelhante, diferençavam-se pelo "escapulário" (pano que envolvia os ombros de quem o vestia) usado ainda hoje.

Século XIII
Tempo de evolução com traje marcado por usa exagerado de peles no forro das túnicas, transformação do barrete mole em rígido, abertura lateral das vestes superiores e adopção de cores muito vivas.
O vestuário feminino era caracterizado por um cinto ornamental usado obliquo pouco apertado.
A nobreza e c1ero destacavam-se por exagerado luxe no atavio. Cobriam a cabeça com chapéus moles substituídos por rígidos ou gorros de feltro, alindados com pano, de aba virada pontiaguda afrente, ou barrete redondo de tecido debruado com peles. O gorro pontiagudo era preferido por letrados e burgueses. Utilizavam quase todos calçado de "cordovão" (couro de cabra curtido), pontiagudo em forma de broa.
O sexo feminino calcava sapatos de cores vivas, prateados ou doirados, prolongados por "calcetas" (polainas). As solteiras usavam cabelo solto e comprido, enquanto as casadas prendiam-no em "reticulum romano" (rede de ouro ou prata), as viúvas usavam-no curto e coberto por touca.
As rainhas usavam a coroa sobre a coifa ou manto. Decoravam os altos toucados com uma espécie de mitra, flores de pedrarias ou " garçolas" (plumas provenientes da distante Normandia).
Os homens penteavam-se em "topete" (cabelo levantado à frente eriçado com duas mechas enormes). O evidente exagero levou o rei D. Afonso IV a proibir esta moda no seculo seguinte com multas, prisão e açoites, Cabelo e barba, compridos, eram cuidadosamente penteados ou entrançados.
O luxo contudo era praticado na generalidade de diversas maneiras:
- donas e donzelas, exageravam na utilização de jóias (anéis, gargantilhas coroas) que utilizavam em tecidos ricos (lençóis e estofos preciosos);
- cavaleiros, preferiam ricas capas de tecido estrangeiro cortadas a moda de alem fronteira;
- clerezia, tinham "acitaras" (capas) bordadas a oiro (rígidas, espessas) de brocado adornado por camurças vistosas( vermelhas e amarelas).
A moda da época era marcada por "conduta" (capa roçagante de cauda), trazida por D. Brites de Gusmão, "a rainha rabuda", segunda mulher de D. Afonso III, que marcava presença saliente na corte.
Os populares continuaram a utilizar "saios", "çorame" (manto ou capa de origem moçárabe), "capelo" e "gorras rasas", usando os homens cabelo curto e túnicas grosseiras.
As damas e donzelas utilizavam mantos de sarja e burel de Castela.
O traje guerreiro evoluiu pouco, com excepção do elmo pontiagudo que passou a cilíndrico sem septa nasal protector.


Século XIV
Trouxe alteração significativa no vestuário, particularmente nas classes mais elevadas que optaram por usar pecas curtas e justas que utilizavam normalmente, entre outros:
- "pelote" (veste de abas largas), de grande aceitação, modificado por elevação de ombros e mangas, fendidas, debruadas de recortes (por onde passavam os braços vestidos com roupa interior), que por norma eram prolongadas quase ate ao tornozelo;
- "loba" (veste talar preta dos magistrados judiciais) própria para letrados e burgueses, curta e fendida nos lados para dar passagem aos braços que apareciam pela abertura das mangas;
- usavam-se com agrado calcas de malha colorida e variada;
- os chapéus foram alterados como o barrete de feltro, veludo ou la guarnecido com aba revirada sobre a frente, adornada com metais preciosos e [olas de valor, que deu origem ao "chapéu cocarde" ornamentado com panejamento pregueado a cair sobre o ombro com volta ao pescoço tipo chapéu bolonhês. O boné redondo de veludo guarnecido de peles também era usado por muitos homens.
O cabelo era cortado pelo nível da orelha, a barba desapareceu e os sapatos usavam-se pontiagudos conforme o estatuto do utilizador.
O sexo feminino acompanhou as transformações como a modelagem do corpo pelo uso de corpetes ajustados sobre espartilho de ferro bordado e "plastrão" (colete almofadado) no peito, de peles e tecidos bordados. As mangas das sobre cotas foram alargadas e prolongadas, sendo os mantos presos com tiras de tecido sobre o peito, ricamente enfeitado com oiro e prata.
O cinto usado largo, ornamentado com metais precisos, desapareceu.
Apareceu a veste curta, cingida, debruada a pele, "corpete de abafo".
O toucado modificou-se com coifa e cabelo retorcido sob a mantilha.
As joias eram muito usadas em "gorjeiras" (gargantilhas), pulseiras, "esclavagens" (colares de missangas) com "aljofares" (brincos).
Usava-se "chapins" (calcado de senhora) de sola fina muito alta.
Os "cheiros" (perfumes) começaram a ser muito usados.
O traje popular modificou-se menos, por óbvias razoes económicas.
O sexo feminino arregaçou a sobressaia (usada por cima), modelou o tronco com o corpete e usou chapéu redondo de feltro (masculino).
O homem coloca sobre o curto "tabardo" (capote de mangas e capuz) um "cabeção" (colarinho largo e pendente).Usava calcas de malha e nas pernas polainas em canhão que deram origem ao borzeguim.
O "novo" traje eclesiástico passou a usar mitras e "chirotecas" (luvas episcopais) guarnecidas de pedraria, que utilizava com vestes litúrgicas enriquecidas com os melhores brocados e bordaduras, talhadas em casulas em bico e sapatos de coiro prensado ou tecido espesso, bordados com delirante fantasia.
O traje guerreiro muito alterado pela armadura articulada tinha o bacinete a substituir o elmo. A armadura era coberta pelo "loudel", sobrecopa que chegava aos joelhos, amortecia os golpes e protegia do calor.

Século XV
Deu por finda a evolução do traje curto para cavalheiros e vestes justas para senhoras, certamente por influência da rainha de origem inglesa mulher de D. João I. Alterou-se a composição dos toucados femininos assim como as coberturas masculinas de cabeça.
Os chapéus “cocarde”, “bolonhes” e “feltro de aba pontiaguda” foram substituídos por barretes e carapuças de copa alta mais ou menos rígida. As gorras de pano, feltro ou veludo eram por norma usadas por letrados. Os barretes em forma do pão de assucar, de cores variadas (negros, vermelhos ou de outra cor) assim como os
carapuços em cilindro (com ou sem aba) de carapuças flácidas.
Chapéus em tecido ou feltro, de aba revirada, alindados com plumas e penachos coloridos eram usados em cerimónia real ou actividade bélica.
O traje, caracterizado por mangas alteadas com chumaços e abertas a meio, para dar passagem aos braços. Os punhos e mangas eram adornados com peles, bordados e com galão também alindado.
Calcas de malha revestiam as pernas, utilizadas em conjunto com gibão cintado usado sobre pelote largo e comprido. Usava-se por vezes sobre o gibão uma sobreveste com mangas "boca-de-sino" com aberturas em quadrado, laterais, no alto do peito, solta ou presa por atilhos. Os toucados, penteados altos, de rolos divergentes, eram adornados com redes e panos. Tinham toucas altas de aba revirada com tecidos pregueados ou véus, A moda mais utilizada em Portugal utilizava o cabelo entrelaçado com fitas ou tiras bordadas com jolas.

II - A moda medieval

A Idade Media situa-se no período definido pelo séc. IV e XV. Os historiadores com base em alterações significativas consideraram o traje dividido por três períodos: inicial (476-1000); alto (1000-1300) e tardio (1300-1453).
O Imperio Romano ao ruir em 476 permitiu a invasão de Europa, entre 300 e 900, por povos bárbaros (Eslavos, Gogos, Hunos, Ostrogodos, Vândalos, Vikings, Visigodos, etc.)
O Imperio Bizantino entre (330-1453) dominava o Mediterrâneo junto a Marrocos, Península Ibérica, Franca (sul), Itália, Egipto e próximo Oriente.
Os crista os europeus tinham uma relação muito próxima com a religião católica, que terá motivado na indumentária religiosa uma similitude que ainda se mantem.
O vestuário servia de sinal hierarquizador conforme o posta e função do utilizador. A semelhança característica dos trajes europeus da época (simples e funcionais) foi alterada com o regresso dos cruzados que trouxeram tecidos e ornamentos dos países donde vinham como o Egipto e outros mais distantes, origem de importantes caravanas comerciais designadamente a China, a India, etc.
A primeira cruzada no regresso (1099) trouxe novidades em tecidos e técnicas de fabrico que deslumbraram os europeus.
Influencias variadas (teutónica, romana e bizantina) ajudaram a desenvolver um gosto acentuado por cores vivas e utilização de peles tratadas acompanhadas pela melhoria de técnicas de tecelagem. Os europeus vestidos "a túnica romana" evoluíram e deram origem a "túnica merovíngia", presa com cínto, que chegava ao joelho. O tecido por norma confeccionado por camponesas, incómodo, rustico, era tingido com produtos naturais. O linho mais comodo que a la e facilmente lavável era usado em roupa intima. A título de curiosidade refere-se que não há evidencias que o sexo feminino usava este tipo de roupa, enquanto o masculino protegia-se com um pano em tanga.
Os mais abastados usavam peles de arminho ou esquilo e os menos abonados de carneiro, ovelha, coelho ou lebre. Os europeus usavam túnica de linho com comprimento variável de manga comprida, capa de meio circulo presa ao ombro por "clâmide" (jóia) e calcas seguras por cinto. Protegiam as costas com capuz, xaile ou manto e as pernas com "chausses" (meias) de comprimento variado, presas por cinto sob a túnica. Usavam "braies" (calcões) ou calcas até ao tornozelo, presas ao quadril por cordão. Os pés calçavam cabedal que defendia a barriga da perna. Os poderosos (papa, rei e nobres) preferiam calçado vermelho ou roxo, caro, por O segredo da tinta ser bem guardado por uma família bizantina que produzia o corante em pequena quantidade.
A gente modesta, campesina, usava roupa simples, pratica, não tingida e por isso de cor crua.
O sexo feminino, atento, calcava modelos semelhantes ao pares que exibiam obra fina exposta em tiras de cabedal a envolver a perna.
Usava túnica que cobria do pescoço ao tornozelo, presa e adornada por j6ias (pedras preciosas coloridas), fitas, cintos e fivelas também de ouro, sobre camisa de linho branco de amplo decote baixo e manga curta. Usava "sobreveste" bordada ao gosto bizantino, mescla de modas (romana com oriental) acrescida em tempo frio com manta de tecido grosso de la, resistente e lavável.
O cabelo merecia atenção cuidada em particular de recém-casadas que se cobriam com véu, acessório de origem muçulmana, trazido pelos cruzados que constituía moda medieval muito apreciada. As solteiras usavam trancas caldas ou cabelo solto e as casadas levantavam-no com grampos ou pentes. Tingido de vermelho vivo, cor do agrado geral, que algumas procuravam esconder com gorro ate ao pescoço, como as freiras, faixa "barbete" que passava nas têmporas, sob o queixo, assim como "gorjal" de linho ou seda que após cobrir o pescoço e colo ia refugiar-se dentro do decote. O capuz da capa separou-se e desceu aos ombros, enquanto a cabeça era coberta por touca de linho que tapava as orelhas ou chapéu frígio.
O sexo masculino cuidava do cabelo, de varias maneiras, como os saxões que o usavam em cachos, rematado por barba também curta, teutões que enegreciam as pontas e o prendiam no lado direito e escandinavos que preferiam bastante comprido. A moda era contudo penteado aparado curto completado com barba e barrete em crista.
A cor da pele, importante, expressava o estatuto social, pois enquanto a palidez era pr6pria de gente rica, guardada em casa, já os camponeses eram trigueiros por trabalharem ao sol.
A "bolsa esmoleira" novidade das cruzadas, usada por todos, suspensa do cinto por codão de seda ou corrente metálica, conforme o estatuto do utilizador, era a vertente prática da veste.
Os seculos XI e XII, condicionados por vincadas mudanças sociais, económicas e politicas, tiveram alterações significativas pela adopção da vertente utilitária enriquecida com ornamentos estéticos a sublinhar a diferenciação das vestes dos géneros que apresentavam características próprias genericamente referidas.
O sexo feminino começou a ser caracterizado pela utilização de:
- confecção melhorada dos tecidos existentes e aparecimento da confecção de novos materiais (seda, cetim, veludo), que permitiram abandono da "roupa quadrada" e facilitaram a modelação do corpo;
- corpete de vestido, criado em 1130, utilizado de varias maneiras. As classes "altas" usavam moldado, justo, ate aos quadris, a permitir vestidos muito cintados, com pequenos decotes, presos nas costas
por cordoes, ornamentados na cintura com jóias em ouro, completados com saia comprida ate ao pés a formar cauda;
- utilização de vestidos sobrepostos, ornamentados com barras e bordados, sendo o de baixo comprido, ajustado, de manga justa ate ao pulso e o de cima curto com manga larga calda. A túnica solta criada entretanto foi substituída por vestido comprido justa ao busto.
A confecção no início do seculo XII era familiar, doméstica e caseira.
As cidades criaram nova modalidade de produção com lojas de artesãos especializados (tecelões, alfaiates, remendões, etc.) que se organizaram e filiaram em "guildas" (corporações).
O sexo masculino passou a utilizar outro vestuário como:
- calcões soltos sob a túnica;
- protecções para as pernas, semelhantes as "poulaines" da Franca e Inglaterra caracterizadas por estreitamento alongado das pontas;
- O comprimento do bico da protecção do pé era proporcional ao estatuto social do utilizador.
O séc. XIII foi marcado pelo uso exagerado de peles usadas por dentro do estuar-to, particularmente no forro das túnicas, transformação do barrete mole em rígido, aberturas laterais nas vestes e adopção de cores muito vivas.
O sexo feminino destingiu-se na utilização de variados componentes:
- cinto ornamental largo e pouco apertado;
- calçado de cor viva (dourado ou prateado) prolongado por "calcetas" (polainas);
- as mulheres solteiras usavam cabelo comprido solto, as casadas prendiam-no com "reticulum romano" (rede) de aura ou prata e as viúvas usavam-no curto coberto pela touca. As rainhas usavam coroa sobre coifa ou manto e as consideradas importantes decoravam os altos toucados com uma espécie de mitra, flores de pedraria ou "garcolas" (plumas normandas).
O período (séc. XIV e XV) caracterizou-se pela moda do vestuário manifestar menor preocupação pratica com maior preocupação ornamental. O séc. XIV marcou nítida diferenciação entre a roupa masculina da feminina, quando o atavio do homem sobressaia.
A imagem marcante do vestuário feminino configurado na "cotehardie" era materializada par:
- vestido inferior (justo) e superior (amplo ou sobre túnica) que se tornaram justos, proporcionados e volumosos. As mangas tinham aberturas para passar os braços, a cintura era alta (abaixo dos seios), saia aberta a partir da cintura e amplo decote a valorizar o colo;
- cabelo da testa rapado e bem puxado para trás.
o traje masculino, encurtado e ajustado, com vários acessórios como:
- camisas a cobrir do ombro a cintura;
- ceroulas compridas e justas ou meias compridas a cobrir as pernas;
- gibao ou colete curto estufado no peito;
- aparecimento do "codepiece" antepassado da braguilha;
- sapatos pontiagudos em pele caprina ou tipo marroquino a cobrir a canela ate ao joelho;
- utilização de "houppelande" (manto amplo) comprido ou curto ajustado na cintura.
A moda europeia no final do seculo deixou de ser reservada (artesanal e destinada a aristocracia), democratizou-se ao considerar um traje bem talhado sinal de êxito politico, económico e social.

O séc. XV sofreu marcada influencia da importante corte espanhola o que levou os homens a utilizar:
- calção largo com aberturas laterais fixado com cinto de fivela;
- gibao que conservou o estatuto de elemento básico e obrigatório;
- coletes, camisas (ornamentadas com fitas de seda), mantes, capas,
casacos curtos com lapela e mangas;
- colarinho de grande dimensão para a nobreza marcar a diferença:
- sapato de veludo de ponta quadrada e bota de tacão alto de varias cores.
As personagens importantes (Papas e reis) destacavam-se pelo luxo do atavio. Cobriam-se com chapéus moles substituídos por rígidos ou gorros de feltro alindados com panes, de aba revelada, pontiaguda afrente ou barrete redondo de tecido debruado de pele em que o gorro pontiagudo era preferido por letrados e burgueses.
Quase todos calçavam "cordovão" (sapato de couro curtido de cabra) com a forma de broa.
O cabelo era usado curto, adornado com barretes e gorros, com barba pontiaguda.
Osexo feminino marcava presença com vestidos, saias guarnecidas por dois ou três saiotes ajustados e com generosos decotes. Usava adornos variados (colares, pendentes e medalhas) e cobria a cabeça com toucas pequenas ou barretes.

PARA SABER MAIS
JAQUES, Le Costume, Livrairie Ernest Flammarion, 1942. Paris;
KYBALOVA, Ludmila (HERBENOVA, Olga, LAMAROVA, Milena),

Encyclopedie Illustré du Costume et de la Mode, Grund. 1970, Paris